terça-feira, 8 de julho de 2014

O ensinamento da Bíblia a respeito do casamento, divórcio e novo casamento.


1. O Casamento é Permanente


Quanto Tempo Deveria Durar Um Casamento?


"Ora, a mulher casada está ligada pela lei ao marido, enquanto ele vive" (Romanos 7:2). "A mulher está ligada enquanto vive o marido" (1 Coríntios 7:39). A intenção de Deus é que um esposo e uma esposa permaneçam casados até que a morte os separe. Deus une esposo e esposa num só ser, e esta união é para ser permanente. Deus, certamente, não liga pessoas em outros casamentos posteriores, os quais Ele mesmo define como adultério.

2. O Divórcio é Pecaminoso

Posso Divorciar-me?


Há razões básicas porque o divórcio é pecaminoso: Primeiro, Deus disse: Portanto, o que Deus ajuntou, não o separe o homem. (Marcos 10:9). Segundo, é pecaminoso por causa do que o homem faz à sua companheira, quando ele se divorcia dela. Jesus disse que ele a expõe cometer adultério (Mateus 5:32). Fazer com que outro tropece e se perca é um pecado tremendamente horrível (Mateus 18:6). Terceiro, o divórcio é pecaminoso, porque eu prometi ficar com minha esposa até que a morte nos separe. Deus abomina a mentira e a quebra da promessa (Apocalipse 21:8; Romanos 1:31).

3. Casamento de Divorciado é Adultério

Posso Casar-me Novamente?


A pessoa divorciada não tem a opção de se casar novamente. Em I Coríntios 7:10-11, Paulo deu duas escolhas àqueles que haviam se divorciado: permanecer descasado ou então se reconciliar com o seu par. Novo casamento de divorciados é adultério. É adultério para aquele que se divorcia de seu par (Marcos 10:11-12), para aquele que está divorciado (Mateus 5:32) e para aqueles que se casam com pessoas divorciadas (Lucas 16:18). De acordo com Romanos 7:2-3 o adultério continua enquanto se está casado com um segundo par e o primeiro ainda vive.

4. O Arrependimento Significa Separação

E se eu estou novamente casado?


Considerando que nenhum adúltero pode herdar a salvação (I Coríntios 6:9-11) e desde que Deus julgará os adúlteros (Hebreus 13:4), aqueles divorciados que estão cometendo adultério por haverem se casado novamente necessitam urgentemente de serem perdoados. Mas o que têm eles que fazer para receber perdão? Têm que se arrepender (Atos 2:38). O arrependimento envolve o abandono das práticas pecaminosas; neste caso, a desistência do adultério. Os Coríntios foram limpos depois que eles deixaram suas práticas pecaminosas ("Tais fostes alguns de vós" ­ I Coríntios 6:9-11). O Evangelho sempre exige a separação do pecado. O beberrão deve separar-se de sua garrafa, o idólatra de seus ídolos, o homossexual de seu amante, o adúltero de seu par ilegal.

5. Exceto Por Traição

Há Exceções?


Toda a pessoa divorciada de um companheiro vivo comete adultério quando se casa novamente, exceto aquele que se divorciou de seu par por traição conjugal (Mateus 19:9). Nenhuma exceção é dada àquelas pessoas cujos divórcios não envolveram traição. Nenhuma exceção é dada àqueles que receberam o divórcio. A exceção é dada somente àqueles que se divorciaram por motivo de traição do outro cônjuge.

Há muita confusão no mundo sobre a necessidade do batismo. Mas não é porque Jesus não pode ser entendido (veja Marcos 16:16). É por causa das teorias dos homens e dos esforços para evitar o que Jesus disse. Há muita confusão no mundo sobre as consequências do divórcio e novo casamento. Mas não é porque Jesus não pode ser entendido. É por causa das teorias dos homens e dos esforços para evitar o que Jesus disse. Por que homens no mundo das denominações não reconsideram suas posições quanto ao batismo quando são forçados a contradizer o simples significado de passagens tão claras? Por que você não reconsidera suas crenças a respeito do divórcio e novo casamento, se elas contradizem o significado de tais passagens como Mateus 5:32, 19:9; Marcos 10:11-12; Lucas 16:18; Romanos 7:2-3; I Coríntios 7:10-11?

É importante colocar que mesmo diante da exceção que o adultério abre, isso não significa que mesmo nessas situações não seja possível restaurar um casamento. Arrependimento e perdão podem curar os males causados pelo adultério.

 Todavia, somente o homem simples, com fé e devoção tem sido capaz de  entender a vontade de Deus. Possa o Senhor abençoar-nos para ouvirmos Sua Palavra e obedecê-la.

O amor acabou – O que fazer?


Em primeiro lugar, precisamos desfazer o mito do “amor que acaba”. Essa é uma sentença que ouvimos reiteradamente dos lábios de personagens do mundo artístico ou das celebridades da mídia, os quais se casam e recasam com a mesma tranquilidade com que alternam peças de vestuário. Não é um modelo a ser seguido. Gente infeliz e desajustada não pode servir de referencial para quem busca felicidade e equilíbrio.

Vivemos dias em que o amor tornou-se algo descartável, superficial, egoísta. O amor propagado pela mídia e pela cultura não possui nenhum paralelo com o amor bíblico. É carnal, impaciente, maldoso, sente inveja, se vangloria, se orgulha. O amor de nossa civilização se tornou um contrato, tem prazo de validade, procura seus próprios interesses, se ira com facilidade, guarda rancor. Não quer sofrer, desconfia em vez de tudo crer, nada espera, nada suporta. É um amor banal e fugaz. É a mais absoluta contradição de I Coríntios 13.
Como Ministro do Evangelho eu nunca incentivo e apoio uma separação entre pessoas casadas. Prefiro ensiná-los a diferenciar o falso amor do mundo com o verdadeiro amor bíblico, ensinando-os a compreender e implementar o amor de Deus em sua relação. Esse é o segredo e isso salva qualquer casamento em crise.

Amar é uma decisão, não um sentimento, amar é dedicação e entrega. Amar é um verbo. Verbo significa ação e o fruto dessa ação é o amor. O amor é um exercício de jardinagem: arranque o que faz mal, prepare o terreno, semeie, seja paciente, regue e cuide. Esteja preparado porque haverão pragas, secas ou excessos de chuvas, mas nem por isso abandone o seu jardim. Ame quem está ao teu lado, ou seja, aceite-o, valorize-o, respeite-o, dê afeto e ternura, admire e compreenda-o. Ame!


domingo, 23 de março de 2014

Geração Eleita " Sacerdócio Real "

Foto do Retiro ,simplesmente fantástico, as vezes estamos como esta árvore, sem vida,sem folha , sem frutos.
No meio de tanta vida e beleza tem aqueles que estão secos.
olhe bem para esta foto e diga se a própria natureza não condiz de repente com sua própria vida .
Tem dado frutos?
Tem falado de Jesus?
Tem ganho almas?
????????
Acorda!!!
Jesus esta voltando!

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Negligência da Fundação




Por Tim Challies


Casamento está sob ataque. O casamento sempre esteve sob ataque. O mundo, a carne e o diabo estão sempre se opondo ferozmente ao casamento, em especial a casamentos distintamente cristãos. O casamento, afinal de contas, foi dado por Deus para fortalecer seu povo e para sua própria glória; não é de se assustar, então, que esteja constante sob ataque.

Tenho pensado recentemente sobre alguns dos inimigos mais escancarados do casamento cristão e, para falar a verdade, os inimigos mais evidentes que eu vejo assolar o meu próprio casamento. Aqui estão 6 inimigos mortais do casamento (do cristão em particular).

Negligência da Fundação

O inimigo do casamento que merece estar no topo da lista é este: negligenciar a fundação – negligenciar a fundação bíblica. A Bíblia deixa claro que o casamento é uma instituição decretada por Deus e uma instituição projetada para glorificar a Deus ao demonstrar algo a respeito dEle. O grande mistério do casamento é que o relacionamento pactual do marido e da esposa é um retrato do relacionamento pactual de Cristo e sua igreja.

O casamento é de Deus, sobre Deus, para Deus e por Deus, então assumimos um risco quando negligenciamos Deus. Apenas quando a fundação bíblica está em seu devido lugar que somos capazes de entender corretamente como um marido e uma esposa devem se relacionar, como devem assumir seus papéis individuais e como devem buscar glorificar a Deus tanto individualmente como enquanto casal. Edificar um casamento sobre qualquer outra fundação é negligenciar a rocha em favor de construir sobre a areia.

Negligência da Oração

A oração é o nosso sustento, o meio pelo qual adoramos a Deus, expressamos nossa gratidão, confessamos nosso pecado e suplicamos por ajuda. O casal que ora junto está confessando perante Deus que dependem dEle, que são incapazes de continuar sem Ele.

A oração privada é essencial para a vida cristã, e a oração do casal é essencial para o casamento cristão. Aqui, ajoelhados ao lado da cama ou sentados no sofá, o marido e a esposa se encontram juntos com o Senhor, o adorando por sua bondade e graça, confessando seus pecados contra ele e de um contra o outro, e suplicando por sua sabedoria e consolo. Quando a oração cessa, o casal está proclamando tacitamente que podem sobreviver e prosperar por si só, que eles não precisam da constante e diária assistência divina. A falta de oração é um grande inimigo do casamento.

Negligência da Comunhão

Outro grande inimigo do casamento é a falta de comunhão – comunhão com a igreja local. Satanás ama quando consegue compelir um indivíduo a se afastar da igreja; quão melhor não é quando ele consegue afastar um casal ou uma família inteira. Quando um casal casado deixa a igreja, ou mesmo se restringe a comparecer o menos possível, eles estão deixando o lugar onde deveriam estar para ver exemplos de casamentos saudáveis, onde podem adorar uns com os outros, onde podem encontrar amigos com quem podem se abrir sobre o casamento para que outros possam enxergar e diagnosticar suas lutas. O casamento prospera no contexto da igreja local e murcha fora dele.

Negligência da Comunicação

Assim como Satanás quer que um casal deixe de se comunicar com Deus por meio da oração, ele também deseja que o casal pare de se comunicar entre si. Comunicação livre, aberta e regular é a chave para qualquer relacionamento, acima de tudo no casamento. Quando um casal é capaz de se comunicar e o faz, são capazes de reconhecer e enfrentar as dificuldades, são capazes de compartilhar tanto as alegrias quanto os sofrimentos que são inevitáveis em uma vida vivida em conjunto. Casais demais deixam de se comunicar, ou talvez nunca tenham aprendido a fazê-lo. Ao invés de enfrentarem os problemas, permitem que eles permaneçam, cresçam e se tornem tóxicos. A comunicação é chave para um casamento saudável, e a falta dela é um inimigo perigoso.

Negligência de Interesses em Comum

Quando um casal está namorando, é raro descobrirem que não tem nada (ou muito pouco) em comum. Mas conforme o tempo passa, após se tornarem marido e mulher e se acostumarem à vida normal, eles podem facilmente caírem em suas rotinas à parte. E assim vivem sozinhos em conjunto, duas pessoas levando duas vidas separadas sob o mesmo teto.

Interesses em comum levam a tempo compartilhado, conversas compartilhadas, paixões compartilhadas. Pode ser um hobby, uma atividade, uma série de TV, mas tem que ser alguma coisa. A negligência dos interesses em comum é um grande inimigo de um casamento saudável.

Negligência do Sexo

Deus agiu com bondade ao prover o estranho e misterioso dom do sexo como forma de unir um marido e uma esposa de forma única. Sexo é a cola de um casamento saudável, mas, mesmo assim, muitos casais nunca estão muito longe de negligenciá-lo ou substituí-lo pela pornografia ou alguma outra coisa. A Bíblia exige que um marido e uma esposa mantenham o relacionamento sexual em todas as circunstâncias, à parte das mais extremas – desde que com consentimento, e por pouco tempo, para se concentrarem na oração. Há épocas inevitáveis em que nada parece mais difícil do que buscar a relação sexual e nada parece mais fácil do que negligenciá-la, mas negligenciar o sexo é desobedecer a Deus diretamente. Negligenciar o sexo é destratar um dos maiores e mais indispensáveis dons de Deus.



Se Satanás não puder destruir um casamento, ele irá tentar, pelo menos. Negligenciar qualquer dessas seis coisas é convidar sua presença e sua influência para dentro do casamento.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

Feliz Ano Novo





início de ano, dando um pontapé para o sucesso, para a vitória, e dizer: “Seja qual for o grau a que chegamos, o que importa é prosseguir decididamente (Fl 3,16) e “Tudo concorre para o bem dos que amam o Senhor” (1Cor 6,12). Repita três vezes: “Tudo concorre para o bem dos que amam o Senhor”, “Tudo concorre para o bem dos que amam o Senhor”, “Tudo concorre para o bem dos que amam o Senhor”. Não se trata de repetição neurolinguística, é uma forma de clamarmos o poder do Alto.
Diante de momentos de trevas que por ventura venhamos enfrentar neste ano, devemos dizer: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8,31). Se o Senhor está comigo não tenho nada a temer .
“A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna” (Jo 6,68). Aonde iremos em 2014, andaremos em busca de quê? Sabemos: em busca do Cristo Jesus, Nosso Senhor e Salvador! Aquele que tem palavras de cura, de restauro, de libertação, palavras de vida eterna! Para que perambular pelos descaminhos do mundo ou deixar-se seduzir pelas artimanhas e mentiras de um mundo pervertido. Apenas no Senhor encontraremos nossas delícias, segurança, alento, frescor, repouso, paz e vida.
Em todo o ano de 2014 –– Digamos vini Creator Spiritus (vem Espírito criador).
 Deus Pai, Filho e Espírito Santo estará sobre você para te socorrer, salvar, curar e abençoar!
A vitória que você espera virá por meio da constância, da sua perseverança.
 Mas quando virá?
A partir do primeiro passo, do momento em que você entregar toda a sua vida nas mãos de Deus e disser:
 Senhor, cuida de mim, da minha casa, da minha família, dos meus negócios.
Clamando com firmeza os Céus se abrem e a vitória já é dada a você. Não são palavras de motivação, são palavras de fé. 
Em João 6,47, Jesus diz: “quem crê, tem a vida eterna”. Jesus não disse “terá”, no tempo futuro, mas “tem”, no presente.
Quem crê em Jesus já tem aqui – hoje! – a vida eterna.
 É promessa de Deus para sua vida. E Jesus diz o mesmo para todos os seus projetos para este ano de 2014.
Em suma, o primeiro passo para o sucesso: ser discípulo e missionário de Jesus, entregar-se de corpo e alma a Deus e, o segundo, que sucede a este é ter constância, ser perseverante, obstinado. Sem desanimar!
Creia em Jesus Cristo, o Filho do Deus vivo.
Vitoria  e muito Jesus a todos .



quinta-feira, 26 de setembro de 2013


                                           
                                            "   JESUS "              Leão da Tribo de Judá







sexta-feira, 20 de setembro de 2013

A Arte do Perdão para uma cura interior

A Arte do Perdão para uma cura interior
A mãe de Lucas estava muito preocupada com ele. Eles já haviam ido a vários médicos, mas nada parecia fazer com que a ferida no joelho de Lucas sarasse. Ele havia se esfolado numa queda de bicicleta, meses atrás, mas por mais que tratasse, aquele machucado permanecia aberto.
Porém um dia, aquela mãe cuidadosa flagrou Lucas. Ele levou um susto! Mas não tinha mais jeito, agora sua mãe sabia que ele descascava a ferida!
- Por que você está fazendo isso, menino?
Lucas não sabia responder o porquê de estar cometendo um ato do qual se envergonhava muito. O prejudicado era ele.
Muitos de nós, adultos, costumamos fazer, com a nossa saúde emocional, exatamente como o que Lucas fazia com o seu joelho, quando deixamos que a amargura seja alimentada no nosso interior. Primeiro acontece algum atrito no relacionamento. Depois, em vez de resolvermos a questão, deixamos que a mágoa fique nos remoendo.
Quando não perdoamos, o mais prejudicado não é a outra pessoa; o sofrimento é reforçado em nós. Não perdoar faz com que sentimentos como ódio, mágoa e ressentimento perdurem. Isto contribui negativamente para nossa saúde mental, física e espiritual. Elas estão intimamente ligadas.
Muitas vezes, temos dificuldade em dar ou receber perdão. Se você não tem muita facilidade em perdoar, provavelmente terá, também, dificuldade de se aceitar perdoado. Portanto, vamos aprender a arte do perdão.
2.         O que é o perdão?
É o remédio para os atritos de relacionamentos entre as pessoas. A arte de saber perdoar e receber o perdão é uma mágica que faz com que os relacionamentos sejam duradouros. Na realidade, o perdão é um processo de cura que promove a saúde em todos os seus aspectos. Através do perdão, você faz as pazes com o passado, dá espaço para que a alegria se instaure no presente e adquire esperança para o futuro.
Esta arte consiste, basicamente, na remoção da culpa. É o abandono do ressentimento, na intenção de mudar a posição de culpado que o ofensor recebe e dar a ele a condição de aceito. É como cancelar débito, retirar queixas ou curar feridas. Enfim, é a reconciliação entre duas ou mais pessoas, do mais profundo do coração.
3.         Como ele acontece
Às vezes, perdoar pode ser simples, mas muitas vezes, pode ser um processo. Para perdoar é preciso decidir. Sim! O perdão não acontece por acaso. Então, é preciso escolher ter o respeito próprio para não mais: a) fazer mal a si mesmo; b) ser pisoteado por outra pessoa, e ter respeito pelo outro também sem prejudicá-lo com suas atitudes ou comportamentos.

3.1 Quando você ofende
Perdão não envolve somente o ato de perdoar, mas também o de pedir perdão. Ambos são importantes para o nosso desenvolvimento pessoal e espiritual como filhos de Deus. Para pedir perdão, é importante que você:
1) Reconheça o seu erro;
2) Esteja sinceramente arrependido;
3) Peça, em primeiro lugar, perdão a Deus;
4) Peça perdão à pessoa que você ofendeu;
5) Procure reparar o erro ou os danos causados;
6) Esforce-se para não repetir a falta.
Pode ser que, embora você seja cuidadoso em seguir todos os detalhes deste processo, você ainda não consiga receber o perdão. Mas não permita que isso lhe deixe abatido:
·         Caso o ofendido não lhe perdoe, sinta-se você, perdoado. Se a pessoa vai perdoar ou não, não é responsabilidade sua. Uma vez que você tenha feito sua parte com sinceridade e amor, não deve se sentir culpado pela indisposição do outro em perdoar. Se o reconhecimento do erro, o pedido de perdão e a possível reparação já foram feitos, a resposta agora cabe à outra pessoa.
·         Correr atrás do perdão de uma pessoa geralmente não vale a pena, se você já conversou com ela e já pediu perdão. Corremos o risco de ser pisados mais uma vez. O melhor é manter uma postura digna de aceitação da pessoa, mesmo com os traumas que ela possa ter ou demonstrar. Mas não deixe que o seu comportamento seja para ela uma provocação, caso ela não queira perdoar você. Existem pessoas que só se recuperam de uma ofensa com o passar do tempo. Ore por esta pessoa sempre. E espere Deus agir ao longo do tempo. Algumas frases que podem ser úteis são as seguintes: “Se precisar de alguma coisa, conte comigo”; “Estou orando por você”; “O que posso fazer para obter [especifique seu desejo ou necessidade] de você?”; “Apesar das minhas falhas pessoais, estou procurando estar no reino eterno de Cristo e desejo que você também esteja lá”.
Um outro problema que pode acontecer é não perdoarmos a nós mesmos, ainda que tenhamos recebido o perdão de Deus e da outra pessoa. Mesmo que o seu erro traga conseqüências eternamente dolorosas, você precisa aceitar que foi perdoado. Isto não é entusiasmar-se com a desgraça. Isto é amar a si mesmo, na medida em que Deus deseja. Você pode até sentir tristeza pela existência de algum mal, mas, apesar disso, deve aprender que sempre existe a chance do recomeço. Na arte do perdão, devemos aprender a separar duas coisas: conseqüência e culpa. A consequência, não podemos evitar; mas a culpa, não precisamos carregar.
É importante que, após o reconhecimento do erro e de pedirmos o perdão a Deus, também nos perdoemos! Se não nos perdoarmos, ficaremos “remoendo” o erro, por mais que já tivermos recebido o perdão da outra pessoa e de Deus. E isso não é bom!


3.2 Quando você é o ofendido
Ao contrário do que muitos pensam, o perdão não é uma complacência com o erro. Quando perdoamos ou quando pedimos o perdão, não estamos concordando com o erro (do outro ou nosso), mas aceitando que o fato aconteceu. Aceitamos a falibilidade do ser humano, apesar de não nos acomodarmos com ela.
Quando tratamos as pessoas melhor do que elas merecem, estamos seguindo o exemplo de Jesus. Pesquise sobre todos os relacionamentos que Ele teve e analise como Ele perdoou. Jesus não suprimia da verdade uma palavra que fosse, mas sempre falava com amor. Em Seu convívio com o povo, exercia o maior tato, dispensando-lhes atenta e bondosa consideração. Nunca era rude; jamais pronunciava desnecessariamente uma palavra severa; nunca motivava dores desnecessárias a uma alma sensível. Ele não censurava as fraquezas humanas.
Tomando a iniciativa  Tem gente que guarda ressentimentos por causa de uma discussão, um mal-entendido ou mesmo por uma necessidade não percebida pelo companheiro. Então, fica esperando que o(a) companheiro(a) toque no assunto, para então, “conceder perdão” ao “ofensor”.
Bruna estava bem doente. Ela contou à Gabriele, sua amiga, que não estava falando com o marido há três meses. Eles haviam tido um desentendimento a respeito da compra de um imóvel. E a posição daquela esposa era a de não voltar a conversar com o marido, a menos que fosse procurada primeiramente. “Porque é o Felipe quem me deve desculpas”, ela dizia. A resistência em demonstrar amor estava agravando o estado de saúde da Bruna.
Gabriele insistiu com Bruna, que ela deveria procurar o marido para resolverem a questão, e ela assim o fez. Veja a surpresa: o marido agradeceu à esposa por procurá-lo e foi o primeiro a pedir perdão. Os dois saíram ganhando. O mal-entendido foi resolvido, e quando Felipe e Bruna recuperaram a felicidade no casamento, a saúde física dela também foi recuperada.
Quando tomamos a iniciativa de conversar sobre os nossos sentimentos feridos, estamos contribuindo para a nossa própria saúde mental e para uma maior harmonia conjugal.
Esquecendo?    Perdoar não é esquecer, no sentido de apagar a ofensa da memória. Perdoar é esquecer no sentido de apagar a condenação. Você ainda vai lembrar do que aconteceu, mas não deixe que a recordação continue a lhe machucar. Apesar de ainda ter o registro do caso no cérebro, não deixe que ele prejudique mais o seu relacionamento com o perdoado, pois já houve o perdão. “Sejam amáveis e prontos em perdoar; jamais guardem rancor” (Colossenses 3:13 – BV).
Se você perdoou, sepulte a ofensa e nunca mais use sua língua para reabrir o túmulo. Quando as lembranças vierem e você sentir um ressentimento apontando, corte o pensamento pela raiz. Decida isto! Não descasque a ferida. Reconstrua o relacionamento.
Aceitando quem ofendeu você
Mesmo sabendo que a pessoa tenha agido de forma errada, transmita-lhe amor na medida em que você for conseguindo. Abrace – em todos os sentidos possíveis da palavra – o ofensor, dando-lhe um sorriso que substitua palavras. Continue a admirar e a respeitar esta pessoa que é alvo do seu amor.
Cultivando o hábito
Faça da prontidão em perdoar, um estilo de vida. Se você tiver a iniciativa de perdoar como um princípio estabelecido no seu modo de viver e de encarar todos os níveis de relacionamento, no dia em que for magoado profundamente, estará mais forte emocionalmente para sair dessa com menos dificuldade. As pequenas ações de perdão no dia-a-dia e a manutenção contínua da limpeza de coração, é que vão lhe ajudar nisso. Portanto, perdoe a todos, sempre, até mesmo nas pequenas coisas. Perdoe os seus pais, os seus irmãos, os seus parentes, o cônjuge, os seus vizinhos, amigos, colegas, irmãos de igreja e, até mesmo, os desconhecidos. Você não terá nada a perder. Apenas ganhará habilidade, e talvez até o título, de um grande perdoador. Faça “todo o possível para viver em paz com todos” (Romanos 12:18).
Conclusão
Todos nós temos dificuldade em dar e receber perdão. Mas é importante que você lembre de duas coisas:
Deus é Aquele que está disposto a nos dar a cura interior, sempre que vamos a Ele, sinceramente arrependidos: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1João 1:9).
Assim como o Senhor nos perdoou, devemos perdoar uns aos outros (Colossenses 3:13). Vamos seguir o exemplo do Mestre? A nossa próxima lição é sobre como ter Jesus em nosso lar. Que Ele abençoe a sua família.


segunda-feira, 18 de março de 2013

Preparando Valentes para o Tempo do Fim

   

( Estamos emCampanha ) 1°cronicas 11:15,19

                Nossa geração esta  vivendo os dias que antecedem a vinda do Messias.


Não sabemos a hora nem o dia em que o Senhor virá; sabemos, que Ele não tardará, estamos vivendo os últimos dias todos os sinais descritos em apocalipse estão passando em frente aos nossos olhos e o Espírito tem nos alertado para que em todo tempo sejam alvas as nossas vestes e jamais falte o óleo sobre nossa cabeça.

Esta campanha vem de encontro com a realidade e necessidade de preparar a Igreja de Cristo , forjar Valentes para o tempo do fim.

A guerra não é contra a carne, mas contra principados.

Estamos no tempo em que o "fraco diga eu sou forte". não podemos conformar e nem compactuar. com as coisas do mundo.

• È tempo de saber quem somos !

• È tempo de estar com uma mão na espada e a outra na arma !

• È tempo de saber que somos embaixadores de Cristo, Filho do Rei . E isso nos chama a ter uma postura de coragem, valentia e ousadia.

• È tempo de avançar e conquistar.

Fique tranquilo e tenha uma certeza

satanás já é derrotado e isso a bíblia me garante, e quem vai na frente da batalha é:

O Senhor dos exércitos , o Deus todo poderoso, o guarda de Israel.

Aquele que não dorme e que nos guarda de todo mal
.È o Deus que nos diz “Não temas porque eu sou contigo “.não te deixarei nem te desampararei.

Precisamos mudar a mentalidade, recobrar os valores que foram perdidos precisamos entender que coragem não é uma opção é uma exigência de Deus para aqueles que são chamados.

Alguns requisitos para sermos Valentes .

  • Ser um homem santo

  • Ser um homem segundo o coração de Deus

  • Ser um homem segundo os propósitos de Deus.

  • Temos que estar acima da mediocridade, para mudar o rumo da história, termos alianças profundas com Cristo,

  • Ser um homem consciente da chamada.

Vou sitar alguns valentes: Adão, abrão,isaque,jacó,moisés,jOsué,Calebe,Elias, Eliseu,Neemias,Esdras,Rute,Ester,Davi,discípulos, apóstolos Jesus.

Ser um Homem de fé Hebreus 11:6

Ter unidade de propósito ( Implantar o céu na terra.
Quando servimos a Deus,devemos servir de todo o coração e em todo o tempo.
Lembrem-se : Quando dizemos sim á Deus deizemos : Não a nos mesmos.
E é assim que devemos estar diante de Deus.
Ele nos fala de sua vontade a todo o tempo e de vária formas e a nós devemos nos lançar no campo de guerra e cumprir seu desejo.
Como os valentes de David devemos oferecer e ir buscar a melhor água para o Rei.
Esta água é a premicia do nosso esforço,é a abnegação de nossa própria vontade.
" Vós com alegria tirareis águas das fontes da salvação.
Deus nos chamou para mudarmos um contexo.
queridos vamos tomar posição.
Valentes de Deus, Avançe ! Avance!  Avance para Vencer.
 renuncie toda e qualquer obra malígna assim vencera as obras de satanas destronandoos seus principados e destruiindo o profano.
Irmãos; Deus tem história e participa da minha e de sua vida, se envolve em nosso cotidiano é esse Deus que me faz ser valente.
nos cabe sómente reconhecer que há poder sobrenatural em nós que somos espirito,
e que sem Deus não somos absolutamente nada.


ARMAS PARA SERMOS VALENTES DE DEUS
 Intercessão / Oração /Sabedoria / conhecimento/jejum / Ação.

Coloque em ação neste dia o proposito de Deus .
              Implante na  terra o modelo do céu  _ Acha isso muito ?
então vamos lá : Faça da sua casa algo em que Deus possa se alegrar e dizer que valeu a pena entregar seu filho por você.


 Estude- jó 17:263
HB11:3
Rm 4:17
Ap: 2:10
TG: 1:12
MT1:12
AP1:17
MT 5:45
RM: 13:12,14



OBS: Os versículos que serviram de base para esta ministração aqui expostos são armas para que vc seja salvo
não lei mas estude .
 Peça ao Espirito Santo de Deus e Êle sómente Êle te dara o entendimento de que vc precisa.
 Um grande abraço em Cristo Jesus
Miss. Cristina Rocha Garcia.